Captain Beefheart – O Gênio…

captainbeefheart2

Um revolucionário. Se fosse necessária apenas uma palavra para definir todas as extravagâncias artísticas de Beefheart, essa seria a mais apropriada.
Don Glen “Van” Vliet (seu verdadeiro nome) trilhou o caminho experimental desde muito cedo. Seu barato definitivamente não era a música fácil.

Andamentos absurdos e letras profanas foram o tônico sonoro oferecido por Beefheart na cena musical dos anos 60. Sua idéia original (como se fosse possível prever o que se passava na cabeça de um figura desses) era fundir o Blues do delta do Mississipi com o Free Jazz e a música concreta de caras como Stockhausen e John Cage.

Beefheart queria soar como se Howlin Wolf tivesse tomado um ácido e passasse a recitar peças de poesia surrealista, nunca mais tendo uma chance de recuperar sua sanidade novamente.
Nativo de Glendale, Califórnia, Beefheart já fazia esculturas e pinturas aos quatro anos de idade! Essa habilidade do garoto prodígio começou a chamar a atenção de alguns renomados artistas. Foi oferecido ao garoto uma bolsa de estudos na Europa, porém seus pais não concordaram. A família estava de mudança para o deserto de Mojave!

Foi lá que Beefheart desenvolveu sua musicalidade, aprendendo sozinho a tocar sax e gaita.
Através dessas habilidades fez amizade (na escola da região) com outro músico inovador, Frank Zappa. Não demorou muito e Beefheart estava tocando com bandas locais como The Omens e The Blackouts.
Cansados do marasmo de Mojave, Zappa e Vliet mudam-se para Cucamonga, onde planejam rodar um filme, Captain Beefheart Meets the Grunt People. O projeto não decola, mas foi uma ótima experiência, pois através dele, nosso herói voltou para Mojave com duas exclusivas intenções: montar sua própria banda e adotar o pseudônimo de Captain Beefheart.

Tendo o suporte da Magic Band (que na época de sua fundação era: Alex St. Clair e Doug Moon nas guitarras, Jerry Handley no baixo e Paul Blakely na bateria), não foi muito difícil descolar um contrato com a A&M Records.

Difícil mesmo foi convencer a estampa a lançar as novas composições insanas do pessoal. Jerry Moss, um dos chefões do selo achou o material ‘negativo’ demais e se recusou a jogar aquilo no mercado.
Sorte da Buddah Records e do produtor Bob Krasnow, que toparam o desafio, lançando em 1967 o essencial Safe As A Milk. Com algumas mudanças na banda (que agora incluía Ry Cooder caprichando nos arranjos e na slide guitar), o capitão mais doido do rock estava pronto para chocar o mundo Pop.

A voz peculiar de quatro oitavas de Beefheart era quase impossível de ser gravada, não é a toa que durante as sessões de Safe As A Milk, vários microfones foram avariados assim que ele abriu a boca. Isso que pode ser chamado de violência vocal! E não é só, Beefheart quando perguntado sobre qual sonoridade gostaria de colocar no seu álbum, respondia numa boa: “busco o som de uma serra-elétrica cortando uma chapa de metal”.

Sem a aprovação do Capitão, sai Strictly Personal, que serviu de motivo para mais desentendimentos com a gravadora. Para o bem geral da humanidade, Zappa estava montando seu próprio selo, Straight Records, e convidou Beefheart para lançar seu próximo e ambicioso projeto na nova casa.
E assim foi feito, em 1969 saiu o duplo Trout Mask Replica, produzido por Zappa e trazendo nada menos que 28 atentados musicais. Trout Mask Replica é daqueles álbuns que deixou sua marca definitiva. Nada digerível nas primeiras audições, gerou muito mais influência do que dinheiro. Desde o Prog até o Punk, passando pela New Wave, ninguém ficou ileso dessa obra.

Durante os anos 70, Beefheart lançou vários álbuns: Lick My Decals Off, Baby, Mirror Man, Clear Spot, The Spotlight Kid, Bluejeans & Moonbeams, Unconditionally Guaranteed e
Shiny Beast (Bat Chain Puller).

Brigou, reconciliou-se e brigou novamente com Zappa. Da fase amigável saiu o excelente Bongo Fury, peça fundamental da extensa obra de Zappa.

Já em 1982, depois do lançamento de Ice Cream for Crow, Beefheart abandonou a música – foi morar com sua esposa num trailer, bem no meio do deserto de Mojave, dedicando-se exclusivamente a suas pinturas e esculturas.

Assim como em sua música, seu estilo pra lá de pessoal, escancarado em suas obras, foi pano de exibições em museus pela América. Aclamado pela crítica de arte, alguns de seus quadros chegam a valer uma boa grana.

Ainda bem que grana nunca fez muito a cabeça de Beefheart. Ele sempre esteve sintonizado em outras energias, como a música e a arte de vanguarda.

Desde os anos 90 o artista vem sofrendo de esclerose múltipla, o que infelizmente o impossibilitou de aparecer em público.

Sua última grande aparição na mídia foi quando a revista alemã Oor publicou um papo/entrevista organizado pelo fotógrafo Anton Corbijn, que curiosamente escalou Bono Vox do U2 como repórter.
A coisa boa da história toda é que assim como os grandes inovadores de nossa era, Don “Van” Vliet será imortal artisticamente falando. Já é parte da cultura e do folclore norte-americano, resta a nós conhecer e difundir sua obra mundo afora.

Por Bento Araújo.
Para saber mais clique no www.poeirazine.com.br

Discografia:
1967 Safe as Milk
1968 Strictly Personal
1969 Trout Mask Replica
1970 Dropout Boogie
1970 Lick My Decals Off, Baby Bizarre/Straight
1970 Mirror Man
1972 Clear Spot Reprise
1972 The Spotlight
1974 Bluejeans & Moonbeams
1974 Unconditionally Guaranteed
1975 Bongo Fury (com Zappa)
1978 Shiny Beast (Bat Chain Puller)
1980 Doc at the Radar Station
1982 Ice Cream for Crow
1994 Alternate Castle
1999 Grow Fins (Box com 5 CDs de raridades)
1999 The Dust Blows Forward (coletânea)
2001 London 1974 [live]
2002 Magnetic Hands: Live in the UK
2003 Dichotomy
2006 Captain’s Last Live Concert

opsyroc046p1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: