Stretch – Uma faceta muito bacana de Mr. Elmer Gantry!

stretch5

Não tem como falar de Stretch sem falar de seu lendário líder e incontestável figura central, Mr. Elmer Gantry.

Gantry começou sua carreira como Dave Terry, seu nome real, numa banda britânica de soul, o Five Proud Walkers, grupo que ficou completamente atordoado após abrir um concerto do Pink Floyd em 1966. A primeira atitude do jovem Terry foi mudar de nome para Elmer Gantry, em homenagem a famosa novela de mesmo nome, de 1927, de autoria de Sinclair Lewis, que serviu de inspiração para o filme homônimo de 1960, estrelado por Burt Lancaster.

Depois de abrir um show do Pink Floyd em 1966, Terry resolveu chafurdar seu grupo de soul num caldeirão de psicodelia e adotou o nome Elmer Gantry’s Velvet Opera. Rapidinho começaram a fazer shows inusitados, com sons eletrônicos disparados junto das performances ao vivo. Toda essa vanguarda chamou atenção da CBS que lançou a estréia homônima do grupo em 1967. O sucesso repentino de “Flames”, o primeiro avulso lançado pela banda, surpreendeu até mesmo Gantry (Terry). O vocalista depois voltaria a ficar abalado pelo fato de um grupo que era a nova sensação do rock inglês (Led Zeppelin) executar “Flames” em alguns de seus shows!

Gantry gravou somente a primeira bolacha e caiu fora, deixando a banda (agora batizada somente de Velvet Opera) para os demais integrantes.

Depois da turbulenta estréia Gantry passou ainda um tempo com uma banda nova que montou ao lado de alguns integrantes do Downliners Sect. Fizeram uma ponta no musical Hair, o que garantiu ao expressivo Gantry canjas com o Alan Parsons Project, Cozy Powell, Jon Lord e outros.

Apesar dessas pontas, Gantry andava meio mal de grana e acabou se envolvendo numa roubada, integrou um ‘fake’ Fleetwood Mac, que excursionou pela América em 1974. Clifford Davis, manager do verdadeiro Mac, arrumou uma bela confusão com o grupo e nomeou-se dono do nome do grupo, colocando um falso Fleetwood Mac na estrada! Até Bill Graham se manifestou contra a picaretagem, que deu muito pano pra manga.

De volta a Londres, esse ‘fake’ Fleetwood Mac acabou se transformando no Stretch, que contava, além de Gantry nos vocais e guitarra, com o ex-guitarrista do Curved Air, Kirby Gregory, uma revelação do instrumento. Logo pintaram Steve Emery (baixo) e Jim Russell (bateria), dois caras que haviam tocado com os Wild Angels, um grupo especializado em reviver clássicos roqueiros dos fifties e em secar o bar dos clubes por onde passavam.

A nova banda despertou interesse de uma nova e promissora estampa inglesa, a Anchor Records, que estava emplacando um dos nomes de seu cast, a banda Ace (quem não se lembra de “How Long”?).

Pela Anchor, sai em 1975 a estréia do Stretch, o grande álbum Elastique, que emplacou no velho continente o hit “Why Did You Do It?”, canção baseada naquela história sacana do falso Fleetwood Mac. No álbum, o quarteto vinha amparado de um aplo naipe de metais (Mike Bailey, Ron Carthy, Mick Eve e Chris Mercer) e do tecladista John Cook. Em novembro de 1975, “Why Did You Do It?” foi para a 16º posição da parada inglesa, por onde permaneceu por nove semanas. Enquanto isso, o disco era lançado na América e no Brasil! Sim, Elastique e sua capa ‘disco’ saiu por aqui e andou jogado nos sebos por preços risíveis. Coisa de doido!

Nos anos seguintes surgiram mais dois álbuns: You Can’t Beat Your Brain For Entertainment, em 1976, e Life Blood, em 1977 quando já contavam com o batera Jeff Rich, que mais tarde integraria o Status Quo. Em 1976, abrem alguns shows do Rainbow de Ritchie Blackmore e literalmente expulsaram o lendário guitarrista do palco com suas performances arrebatadoras, como escreveu o renomado jornalista Chris Welch no semanário Sounds. Por um curto espaço de tempo, o Stretch chegou a ser chamado pela crítica britânica como ‘a melhor banda de boogie e de blues rock de sua era’.

Apesar das altas expectativas com o sucesso inicial de “Why Did You Do It?”, depois de três álbuns e centenas de shows históricos, Gantry e Kirby estavam com uma estranha sensação: nada parecia acontecer e quase nenhum dinheiro sobrava no bolso dos aplicados músicos. Os show eram viscerais e rendiam boas resenhas, porém os álbuns não vendiam nada. Kirby chegou a declarar: “Tínhamos certeza de que éramos uma grande banda, mas não conseguimos manter o astral de nosso primeiro sucesso, pois estávamos muito frustrados com nosso management”. Como se não bastasse a Anchor ia mal das pernas e acabou dispensando o Stretch de seu cast. Um último suspiro ressurge quando o selo Hot Wax contrata o grupo e lança o melancólico Forget The Past, a despedida definitiva desta grande banda. Um renomado crítico inglês chegou a afirmar que Forget The Past era lixo puro!

Kirby e Emery continuaram no selo Hot Wax, fazendo sessões de estúdio com caras como Nicko McBrain, ex-integrante do Streetwalkers e Pat Travers Band, que futuramente tocaria no Trust e no Iron Maiden. Ainda em 1978, Kirby chegou a lançar um álbum solo pelo selo, Composition.

O punk e logo depois a NWOBHM acabou com bandas do estilo do Stretch, onde blues, boogie, baladas e metais harmonizavam fielmente com o som agressivo das guitarras e a pulsação imponente da bateria.
“Why Did You Do It?” chegou a aparecer com destaque no filme Lock Stock & Two Smoking Barrels, o que garantiu ao pessoal alguns royalties após um tenebroso inverno de 25 anos! O resultado? Neste primeiro semestre, Gantry, Kirby e Rich se reuniram com o baixista Jim Scadding para alguns shows de reunião pela Inglaterra. Um novo álbum também está nos planos e a conceituadíssima Repertoire acabou de colocar no mercado uma excelente coletânea dupla do grupo.

Será que nossos tempos modernos estarão preparados para a somzera do Stretch?

Texto de Bento Araújo (www.poeirazine.com.br)
Matéria originalmente publicada na revista poeira Zine número 17.
Para saber mais clique no www.poeirazine.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s