Steely Dan – Rikki Don’t Lose That Number (1974)

zap_steely

O Steely Dan ficou conhecido pelo primor e bom gosto de suas legendárias composições, também pudera, o grupo era formado por dois compositores de mão cheia, Walter Becker e Donald Fagen, e um produtor experiente, Gary Katz.
Nesses tempos, era quase raridade um grande grupo não ter baterista e baixista fixo. Melhor para eles, que podiam escalar sempre músicos de primeira para as gravações e tours, apesar do Steely Dan ser avesso a tours nessa época de sua carreira, preferindo se concentrar totalmente na produção de seus trabalhos em estúdio.

Depois de uma estréia primorosa com Can’t Buy A Thrill, em 1972, e um segundo álbum no mesmo nível, Countdown To Ecstasy, de 1973; o grupo/projeto adentrava 1974 com seu terceiro e mais sério trabalho até então, Pretzel Logic. Abusando de elementos característicos de sua rica sonoridade, o Steely Dan tinha as manhas de ‘letrar’ suas canções em formato de quebra-cabeça, apimentando tudo com humor inteligente e trocadilhos verbais/musicais.

“Rikki Don’t Lose That Number” abria o terceiro trabalho de Fagen e Becker e teve seu título baseado numa situação atravessada com o guitarrista Rick Derringer. O próprio guitarrista explicou o ocorrido recentemente, num fórum pela internet: “Esse título surgiu quando fizemos uma sessão juntos. Pelo que me lembro, Fagen anotou um número de telefone num papel e me entregou. Depois ficou a noite inteira falando: Rikky não perca aquele número! Obviamente a canção não tem nada a ver com aquela ocasião, mas o título certamente sim”. Derringer esqueceu de mencionar que ‘number’ é também uma gíria ianque para maconha, muito usada nos anos 60.

Alguns fãs diziam que a faixa era na verdade inspirada em Eric Clapton, já que Jim Gordon é o baterista da canção e como ele havia gravado com o Derek And The Dominos, de Clapton, a conexão estaria aí estabelecida, além do fato de Fagen soltar um “we could go our driving slow hand row” em certo ponto da canção, lembrando que ‘slow hand’ era o apelido do guitar hero inglês. Outra versão é que “Rikki” seria uma antiga namorada de colégio de Fagen, a senhorita Rikki Lee Jones.

Especulações à parte, o ritmo sincopado e o esmerado apelo pop de “Rikki Don’t Lose That Number” fez dela um dos maiores hits da banda e um clássico da década de 70. Nada mal para uma composição com a linha de baixo baseada num antigo tema de jazz chamado “Song For My Father”, original de Horace Silver. A abertura de ambos os temas é bem similar, o que comprova o bom gosto de Fagen e Becker de incluir referências jazzísticas em canções pop inesquecíveis.

Texto de Bento Araújo
Matéria originalmente publicada na revista poeira Zine número 17.
Para saber mais clique no www.poeirazine.com.br

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: