Dez anos de poeira Zine!

OKZERO

Dia 14 de fevereiro de 2003. Para muitos fãs brasileiros do Status Quo, esse foi “o” dia. Foi quando a legendária banda de Francis Rossi e Rick Parfitt aportou pela primeira (e até agora única) vez em São Paulo. A energia era contagiante. Fãs vieram de diversos estados brasileiros para assistir ao grupo ao vivo.

Um encontro promovido pelo fã clube brasileiro do Quo, no dia anterior, já havia sido uma festa. Montamos um grupo improvisado, um tributo, e tocamos noite adentro alguns dos grandes clássicos da banda. Lembro de tocar guitarra na ocasião e meu amigo Ricardo Alpendre ter cuidado dos vocais.

No dia seguinte, a aproximação da hora do show me deixava ansioso, algo tão incrível quanto o que estava por acontecer: o lançamento do número zero da publicação independente que eu havia criado, a poeira Zine. Aquele era “o” dia pra mim também.

Através do fã clube, animado com o lançamento de uma publicação trazendo a história do Status Quo, visitamos o camarim do grupo. Entregar pessoalmente a pZ nas mãos de Francis Rossi e Rick Parfitt foi algo que eu não esperava. Lançar um zine e logo de cara mostrar o meu trabalho aos protagonistas daquela edição? Era demais pro coração. O show foi fantástico e a resenha completa foi depois publicada no #1 da pZ.

poeiraeeue

Nas fotos acima: Bento Araujo entregando o número zero da poeira Zine à dupla de frente do Status Quo: Rick Parfitt e Francis Rossi. Credicard Hall, São Paulo, 14/2/2003

A concepção da poeira Zine aconteceu na verdade no ano de 2002, quando eu trabalhava naquela que foi uma das grandes lojas de discos de São Paulo, a Nuvem Nove, de propriedade do grande José Damiano, que hoje participa do nosso poeiraCast semanal. Na metade daquele ano, eu comprei o meu primeiro computador, que àquela altura era algo com preço nada “popular”. José e sua esposa, Júlia, me emprestaram o dinheiro para aquela pequena façanha, a maior quantia que eu já havia gasto então com alguma coisa na vida.

Na Nuvem Nove eu atendia pessoas de todo tipo, com os gostos musicais mais variados possíveis. Além de ser uma ótima escola, me especializei em atender o público ligado em rock dos anos 1960 e 1970. Numa época onde a internet ainda não havia explodido, eu dava dicas sobre as discografias das bandas, além de indicar os meus álbuns favoritos e também aproveitar para deixar a minha coleção em dia (a seção de LPs da Nuvem era um arraso, um ótimo acervo a preços incríveis).

Com a criação da primeira rádio “classic rock” de SP, a Kiss FM, percebi que mais e mais garotos e garotas vinham me perguntar sobre bandas e artistas como Lynyrd Skynyrd, Faces, Focus, Steppenwolf, Free, Grand Funk, Thin Lizzy, The Guess Who, Rory Gallagher, Allman Brothers Band, Traffic etc.

Falando diariamente sobre esses e tantos outros nomes, pensei comigo mesmo: “E se eu colocar todas essas histórias no papel? Tipo criar um fanzine pra esse pessoal ler?”. Eu havia cursado faculdade de jornalismo, mas poucos sabiam que, além de falar pra caramba, eu também apreciava escrever sobre aquele amplo universo.

Percebi que, nas bancas, a carência para esse tipo de publicação era enorme. Apenas a música pop e o heavy metal tinham vez. Ninguém tinha coragem para lançar algo contando histórias daqueles nomes esquecidos dos anos 1960 e 1970.

Minha ideia original foi criar basicamente a publicação que eu gostaria de ter para ler. Como a grana era curta, teria que ser um fanzine, algumas poucas páginas xerocadas e grampeadas na raça.

Passei então a me dedicar a um zine imaginário, ainda sem nome, para ser distribuído, de início, apenas aos clientes da loja. Com conexão discada, e sem a menor grana, foram madrugadas e madrugadas em claro: pesquisando e bolando um formato. Livros e revistas por todo lado no meu quarto. Eu tinha pressa. A ideia virou um desafio, uma questão de honra, ainda mais para um garoto como eu, que na época de colégio, ficava no fundo da sala criando resenhas imaginárias de álbuns de Scorpions, Ozzy, Maiden, Saxon, AC/DC, Whitesnake, Sabbath, Van Halen, Kiss, Purple, Led e Judas Priest. Por anos, o meu sonho era escrever na Rock Brigade. Sonho que depois realizei, como muitos outros, graças à pZ.

A ideia foi tomando formato e, sem dificuldade, pensei num nome e num logo simples: poeira Zine. “Poeira” porque meu lance seria escrever sobre sons do passado que nunca tiveram vez na imprensa nacional. “Zine” porque seria um fanzine. Tudo em arial black chapado, “p” em caixa baixa e o “Z” em caixa alta, só pra ganhar estilo.

Não muito depois, eu já havia bolado as pautas e escrito tudo para o número zero. O Status Quo tocaria no Brasil pela primeira vez, então a capa e o texto principal da edição já estavam obviamente escolhidos. Uma outra matéria “mapearia”, por território, as bandas de garagem norte-americanas dos anos 60. Os Stones estavam relançando parte de seu catálogo em CD e muita gente tinha dúvidas sobre esses relançamentos, então fez sentido escrever sobre isso também. Zappa, Thin Lizzy, Dr. Feelgood, MC5, Dust, Eumir Deodato, The Zombies, Big Star, The Stooges e Moby Grape também marcaram presença. O próximo passo foi imprimir um “boneco” caseiro da futura publicação e sair mostrando por aí, vendendo pequenas cotas de publicidade para levantar o valor suficiente para pagar a xerox.

Em dezembro de 2002, eu deixei a Nuvem Nove para me dedicar em tempo integral ao novo projeto. José e Julia apoiaram completamente a minha empreitada, assim como os muitos jornalistas que me conheceram na Nuvem Nove. Impossível não lembrar também do apoio de Dna. Carmen, minha mãe, que sempre me apoiou em todas as minhas escolhas e embrulhou para o correio, com aquele carinho materno, milhares e milhares de exemplares por anos, assim como o apoio da, na época minha namorada, e hoje minha esposa, Carolina, que chegou a me ameçar: “Vou viajar, mas quando eu voltar eu quero ver a poeira Zine terminada, ok?”. A Carol me ajudou também na parte gráfica. Foi ela que fez a capa do número zero e de muitas outras edições nos primeiros anos da pZ. A diagramação, eu comecei fazer por pura necessidade. Não tinha como pagar alguém para fazê-la, então o jeito foi meter a mão na massa e, na época, praticamente duelar com um programa de edição arcaico e medonho, o Pagemaker. Dez anos atrás o In Design ainda não havia se popularizado.

Saí com o “boneco” da pZ debaixo do braço, oferecendo cotas de publicidade para lojistas, que, ao entrarem com o anúncio, ganhariam automaticamente alguns exemplares para revender e recuperar parte do investimento.

poeiraeeu2

Na foto acima: Bento Araujo divulgando o número zero da poeira Zine numa feira de LPs no Conjunto Nacional, na Av. Paulista, São Paulo/SP.

A reação foi fenomenal desde o início. Ray e Rogério, da finada loja Medusa, na Galeria do Rock aqui de Sampa, foram outros entusiastas do projeto. Tanto que fizeram dois anúncios no número zero! Lembro nitidamente de Ray, hoje proprietário da loja Blue Sonic, me ajudando na venda dos anúncios; me levando de loja em loja na Galeria e me apresentando aos lojistas que eu ainda não conhecia. Inesquecível a reação de meu amigo Luiz Calanca, da Baratos Afins, que quando viu que o Status Quo estaria na capa, topou a parceria de imediato. Além de Ray e Calanca, outros lojistas também embarcaram rapidamente no projeto e estão comigo até hoje, dez anos depois! São eles: Nivaldo (Stand Up), João Pacheco/Captain Trips e Diaz (da feira da Benedito Calixto), Helton (Dunno) e Normando (Confeitaria São Gabriel).

Dentre lojas e marcas que não existem mais e outras que estão ainda na ativa e que ajudaram muito a pZ nesse número de estreia, tivemos a Nuvem Nove, Jardim Elétrico (dos irmãos Ricardo e Sérgio Alpendre – hoje no poeiraCast), Aqualung, Relics, Metal, Marche, Freenote, Canal, Cosmic, Rocks Off e Laticínios Nossa Toca.

A aceitação foi tamanha que eu levantei um valor suficiente para rodar dois mil exemplares da poeira Zine numa gráfica, com acabamento caprichado e capa em papel couchê. Foi a glória.

Depois do lançamento, no show do Status Quo, era só começar a pensar no número seguinte.

Na saída do show do Status Quo em São Paulo, no Credicard Hall, lembro de contar com Ricardo Alpendre e Ray, na chuva, ali comigo, vendendo a pZ para os fãs que saíam embasbacados do show. Muitos queriam levar aquela nova publicação com a história do Quo pra ler, reler e guardar.

De lá pra cá, eu não parei mais. Tudo isso graças a você, leitor, anunciante e revendedor, que me acompanha há todos esses anos, ou que está conhecendo a pZ exatamente agora. A pZ cresceu, evoluiu, mas permanece fiel aos seus princípios e tudo isso é extremamente gratificante.

Como dizia Frank Zappa: “Music is the best”. É por isso que estamos juntos nessa.

(Bento Araujo)

2 responses to this post.

  1. Posted by Daniel Cardoso on 13/08/2014 at 2:24

    Dois Reais! Inflação dos infernos!!!

    Responder

  2. Posted by Noeli on 15/02/2013 at 20:01

    P*A*R*A*B*É*N*S

    \\//ida Longa e Próspera!

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: