Archive for the ‘Bios’ Category

The James Gang: A gangue de Joe Walsh era encrenca!

jamesgang

Aquele guitarrista de cara engraçada, mais conhecido pelos leigos por suas caretas durante o solo de Hotel California, naquele famoso vídeo dos Eagles, é sempre lembrado como líder do James Gang.

Walsh foi sim a figura de frente da gangue durante seu período mais arruaceiro, quando lotavam estádios e lançavam uma trinca de álbuns acima da média.

No entanto, quem organizou essa turma toda em prol do rock não foi Walsh, mas sim o baterista Jim Fox.

Fox teve sua primeira aventura ao lado de um grupo profissional lá por volta de 1965, com os Outsiders, uma banda de Cleveland que emplacou um único hit: “Time Won’t Let Me”. A canção emplacou no top five no ano seguinte, alcançando uma projeção sequer sonhada por qualquer canção do James Gang. Curioso que essa é uma frustração que Fox faz questão de relembrar em todas entrevistas que concede. A frustração de não chegar nas paradas sempre foi um fantasma horripilante na visão do baterista.

Continue lendo

Tommy Bolin – Shake The Devil

withciggie

Thomas Richard Bolin foi mais uma daquelas perdas inestimáveis e irreparáveis para o rock. Nasceu em Sioux City, Iowa, USA, no primeiro dia de agosto de 1951. Aventurou-se bem cedo pelos caminhos da música: primeiro tentou a bateria, depois o piano, porém foi só aos 13 anos de idade que sacou que o seu lance era mesmo a guitarra.

O tímido e charmoso garoto que optou em abandonar a escola ao invés de ter que cortar seu cabelo se mandou para Denver, no Colorado, onde montou sua primeira banda, o American Standard.

Logo depois conheceu uma garota chamada Candy Givens, uma jovem vidrada em Janis Joplin. Com ela funda o Zephyr, grupo de projeção apenas local que lançou apenas dois álbuns com a guitarra de Bolin. Um dos maiores méritos da banda foi abrir um show do Led Zeppelin, que terminou com Jimmy Page impressionado com a performance do precoce Bolin.

Continue lendo

Captain Beefheart – O Gênio…

captainbeefheart2

Um revolucionário. Se fosse necessária apenas uma palavra para definir todas as extravagâncias artísticas de Beefheart, essa seria a mais apropriada.
Don Glen “Van” Vliet (seu verdadeiro nome) trilhou o caminho experimental desde muito cedo. Seu barato definitivamente não era a música fácil.

Continue lendo