Archive for the ‘Capas Históricas’ Category

#Capas Históricas# Free (1969)

free2

O segundo e mais psicodélico disco do Free mereceu uma arte gráfica à altura. Um dos favoritos da facção mais freak que acompanha o grupo, Free, o álbum, veio numa época de plena ascensão da banda inglesa, fato esse assimilado pelo desenhista e fotógrafo Ron Raffaelli.

Camarada de Hendrix e calejado de fotografar gente simples como Stones, Cream e Led, Raffaelli foi o sujeito que injetou sensualidade na imagem rude do Free.

A foto da garota, uma jovem de 18 anos chamada Linda Blair (não a do Exorcista), foi tirada no estúdio particular do artista, em Hollywood.
Continue lendo

Anúncios

#Capas Históricas” – Led Zeppelin (Houses of the Holy)

Uma bela tarde, Jimmy Page ligou para o conceituado estúdio londrino Hipgnosis para perguntar se eram eles os responsáveis pela capa do disco Argus, do Wishbone Ash. Quando o guitarrista achou os responsáveis pela aquela estonteante capa, não demorou para o convite ser feito: “Vocês gostariam de fazer a capa do próximo disco do Led Zeppelin?”

Page e o mega-empresário Peter Grant se mandaram pro estúdio para discutirem a arte do álbum. Grant tinha anotado várias idéias na parte traseira de seu maço de cigarros, porém, o renomado designer Storm Thorgerson, que já havia trabalhado com o Pink Floyd, The Nice e Quatermass, teve duas idéias. A primeira era colocar o símbolo ZOSO de Jimmy Page numa paisagem do pampa colorado peruano, onde se encontram as famosas linhas de Nazca. A segunda era baseada na obra Childhood’s End, de Arthur C. Clarke, onde uma família nua escalava um monumento sagrado (Clarke depois declarou que se sentiu lisonjeado, pois o Led sempre foi uma de suas bandas favoritas!).

Continue lendo

Hawkwind, a capa de Space Ritual…

full_fr

Barney Bubbles merecia ser muito mais reconhecido, além do que é cultuado. Mais popular? Não seria apropriado. Não é do mesmo tipo de artista gráfico que um Roger Dean, cujo apelo é mais para o belo e o épico. Barney (nome real: Colin Fulcher) era o inquieto, o típico freak da Portobello Road, onde viviam os doidões naquela Londres pós-psicodélica. Nesse cenário, nada mais natural do que ele estar associado ao Hawkwind. Toda a concepção da banda casava com o estado de espírito e a arte de Barney. A parceria começou em In Search Of Space (1971), segundo álbum do Hawkwind, e seguiu em Doremi Fasol Latido (1972) e até 1978, tudo muito bem-elaborado e bem-sucedido, incluindo cartazes e ocasionalmente cenários de palco. Mas o trabalho dele que causou mais impacto foi a arte do álbum duplo ao vivo da banda, Space Ritual, de 1973, o segundo LP com Lemmy no baixo e em alguns vocais, e também a primeira gravação oficial em disco do muito subestimado artista Robert Calvert.
Continue lendo

Blind Faith (1969)

2008-12-09-blindfaithblindfaith

Imagine uma imagem de uma garotinha que acabou de adentrar a puberdade. Imagine ela nua, segurando um objeto fálico prateado. Ficou constrangido? Sim, eu também. Agora imagine essa imagem sendo divulgada como capa do primeiro e único disco de uma super banda, há exatos 40 anos atrás.

Continue lendo