Archive for the ‘Have A Nice Day’ Category

Johnny Kid & The Pirates – Shakin’ All Over (1960)

Uma questão muito comum entre o pessoal que curte rock dos anos 60 é aquela: “O que existia na Inglaterra antes dos Beatles?” Pois bem, pode parecer exagero, mas é claro que depois da explosão Beat de 1962 o rock inglês passou a ser referência mundial até culminar com a British Invasion, dois anos depois. Porém, em 1960, o que existia de mais visceral, juvenil e roqueiro na Inglaterra era a música do Johnny Kidd e seus piratas.

Voltando a 1957, um jovem chamado Frederick Heath formou um grupelho de skiffle, os Five Nutters. Como o líder que comandava tudo, rapidamente o nome passou a ser Fred Heath Combo. Sem nenhuma repercussão, Fred, um showman por natureza, resolve adotar um nome artístico, Johnny Kidd.
Continue lendo

Strawberry Alarm Clock – Incense and Peppermints (1967)

sac_1969

Eles foram os queridinhos das rádios AM numa época em que imperavam os grupos de rock bubblegum. Isso não os impediu de serem os responsáveis por um dos maiores hinos da psicodelia. A canção “Incense and Peppermints” permaneceu 16 semanas em primeiro lugar nos Estados Unidos e seu grupo, o Strawberry Alarm Clock, nunca mais repetiu a dose, chegando no máximo ao top 30 com o single seguinte: “Tomorrow”.

Mas não se iluda: o grupo era ótimo e gravou quatro LPs muito competentes (tem também uma coletânea), além de participar de dois cults do cinema underground, os filmes Beyond de Valley of the Dolls e Psych Out, este último junto com o The Seeds. Encerraram as atividades em 1972, após várias trocas de formação durante sua existência.
Continue lendo

Wallace Collection – Daydream (1969)

wallacecollectionpic

O Wallace Collection pode ser considerado uma pérola da psicodelia brega do final dos anos 60. A banda surgiu na Bélgica e tinha como curiosidade, uma habilidade incrível para mesclar melodias pop com guitarras, passagens jazzísticas e fragmentos de música erudita. Na formação do grupo, dois jovens cuidavam dos violinos e violoncelos, Raymond Vincent e Jacques Hamotte, que eram também membros da Orquestra Filarmônica Belga! O restante do pessoal era Marc Herout (pianista com bagagem Jazz), Sylvain Vanholme na guitarra, Christian Janssen no baixo e Freddy Nieuland na bateria e vocais. Antes de formarem o Wallace, esses garotos já haviam tocado em diversas bandas belgas como o Sylvester’s Team, o 16th Century e o Stradivarius.

Continue lendo

Sugarloaf – Green Eyed Lady (1970)

spaceshipearthposter

Tudo tem início com uma banda do Colorado chamada Moonrakers que deixa apenas um registro datado de 1968. No ano seguinte eles mudam o nome para Chocolate Hair e a formação contava com Jerry Corbetta (V, T), Bob Webber (G), Bob Raymond (Bx), Bob MacVittie (Bt). Não demorou para pintar um contrato com a Liberty, que fez, de cara, uma exigência: que o nome da banda fosse mudado. A gravadora achava que o nome Chocolate Hair poderia soar ofensivo naqueles tempos de violentos conflitos raciais pela América.Ao contrário do que muitos pensam o novo nome, Sugarloaf (pão de açúcar em português), foi adotado em homenagem à uma famosa montanha do Colorado, estado natal dos garotos; e não uma homenagem ao nosso Pão de Açúcar.

Continue lendo

“Susie Q” – Dale Hawkins (1957)

dale5

Para os fãs do rock & roll, Dale Hawkins, The Rock’n’Roll Tornado, tem uma carreira interessante, sendo um dos grandes cantores do rockabilly do Sul dos Estados Unidos, e atípico por ser de Louisiana. Mas para o mercado da música ele não apenas é um one-hit wonder, como tem em seu único sucesso uma canção que transcende as fronteiras do rock e das décadas.

“Susie Q” é criação de Hawkins e de seu guitarrista na época, o ainda desconhecido James Burton. A gravação do single ocorreu em data desconhecida de 1957 no estúdio da KWKH Radio em Shreveport, Louisiana. Nesta versão original do clássico, é o insistente cowbell do baterista Ronnie Lewis que chama a atenção, para só depois entrarem o patenteado riff da guitarra de Burton, os backing vocals que introduzem “oh, Susie Q!” e o vocal rasgado de Dale Hawkins.

Continue lendo